Quarta-Feira, 28 de Outubro de 2020

Índio da região do Xingu que passou para cursar medicina é destaque em Portugal




COMPARTILHE

Como tantos outros índios do Brasil, Farato, como é chamado, passou a infância a pescar e a jogar futebol, entrando na escola apenas aos 10 anos para se alfabetizar. No entanto, teve de sair da aldeia indígena, por necessidade dos seus pais, e foi obrigado a abandonar da escola, completando a alfabetização através de jornais e revistas que apanhava jogados pelo chão.

Hoje, Farato é notícia por ter conseguido vaga na Universidade Federal de Mato Grosso, em Matemática, e estar, desde este mês, habilitado também a cursar Medicina, após passar em primeiro numa prova a que concorreram milhares para apenas seis lugares. Percorreu 340 quilómetros de Canarana, a cidade onde vive, até ao local do exame de admissão, ao gridon de uma moto que teve de carregar parte do caminho por causa da lama.

Entretanto, já realizara o sonho de se formar em enfermagem, trabalhando em part time como agente de saúde, com salário de 150 euros por mês, durante o curso, gastando a maior parte do dinheiro em lanternas para ler os livros noite adentro (já que no local onde mora não há luz elétrica) e, como contou, almoçando e jantando água muitas vezes. 


Autor: Redação AMZ Noticias


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias