Domingo, 24 de Maio de 2020

Sem internet, produtores rurais enfrentam dificuldades para usar sistemas de produção




COMPARTILHE

Para minimizar os impactos negativos dos sinais de telefonia e internet, produtores rurais do oeste de Mato Grosso estão instalando até placas solares. A falta de internet tem prejudicado que eles coloquem em prática ferramentas tecnológicas que ajudem no desenvolvimento do trabalho.

Em um mundo onde a tecnologia cresce a cada dia, ficar sem celular ou até sem internet, para muita gente parece que é algo muito difícil. Só que existem cidades, como Campo Novo do Parecis, no Oeste de Mato Grosso, que o sinal de telefonia e internet, ainda estão em processo de implantação.

"O sistema está fora do ar, por favor, tente novamente mais tarde". Essa é a mensagem que muitos moradores de municípios dessa região ouvem há anos. "É até estranho de falar hoje em dia né?! A gente ter uma telefonia que para nós é deficiente. A gente vive em interior e já é dificultoso, a gente necessita muito de internet e de telefonia, mas para nós, estamos bem pouco assistidos nesses pontos", diz o produtor rural Antônio Brólio.

Antônio é agricultor e presidente do Sindicato Rural de Campo Novo do Parecis. Ele disse que o sinal de celular de algumas operadoras até funcionam na cidade, ou em fazendas próximas à área urbana, mas a internet não funciona. "A gente tem máquinas de últimas gerações no campo, que a gente poderia estar assistindo hoje ao vivo para saber o que está acontecendo com a máquina, produção, mas a gente não consegue essa conectividade", reclama.

Ingrid Batista Sarde, que trabalha na parte administrativa da fazenda, disse que os sistemas adotados na propriedade poderiam ser melhor aproveitados se tivesse internet de qualidade. Um dos sistemas é de meteorologia, que tem a função de saber se o clima está bom para fazer uma aplicação ou não, a velocidade do vento, essa questão do controle.

"Se a gente tivesse uma internet melhor, eu conseguiria acessar direto no campo. Porém, a falta de internet e a dificuldade acaba impedindo um pouco. Eu posso fazer offline. Mas vai gerar um atraso", afirma.

Ingrid monitora os serviços em campo, Mas não consegue usá-los em tempo real. "O tempo que eu perco vindo aqui, para alimentar esses dados, poderia já ser resolvido de lá mesmo. A gente não consegue ter 100% do programa por falta da internet", diz.

Nesta outra fazenda, a agricultora teve que investir cerca de R$ 20 mil para a instalação de uma torre de internet. Só assim, consegue emitir ainda na fazenda as notas fiscais que precisa para transportar a safra. Na propriedade foi preciso também melhorar o fornecimento de energia, para que os outros sistemas funcionassem. A alternativa foram as placas solares.

"A energia é de linhão, como a gente fala né?! Mas cai com muita facilidade. E são poucas pessoas para dar esse suporte, então às vezes demora para eles virem religar a energia, então a gente precisou encontrar uma alternativa para que a gente tivesse uma estabilidade de energia", diz Mirian Berghahn.

Ela mantém carregada a bateria que transmite a internet. Mas mesmo com todos esses investimentos feitos na propriedade, a conexão não é 100%. Para os produtores, é um sonho ver a tecnologia avançar também na comunicação nos campos.

 


Autor: AMZ Noticias com G1


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias