Domingo, 31 de Maio de 2020

Kátia Abreu diz que ministro da Saúde está 'meio perdido' mas que tem um currículo muito bom




COMPARTILHE

Durante entrevista concedida ao portal de notícias UOL, neste sábado, 2, em sua fazenda, no município de Aliança do Tocantins, onde está em isolamento por causa da pandemia, a senadora Kátia Abreu (PP) disse que o novo ministro da Saúde, Nelson Teich, “está meio perdido”.

Kátia justificou a crítica com base na postura do ministro durante audiência pública, para falar dos planos para o enfrentamento da Covid-19. "Não posso deixar de registrar que eu e vários colegas achamos que ele está um pouco perdido no meio do 'tiroteio'“, avalia a senadora.

“Não dá para falar: governadores, a peteca está com vocês”. Não, porque quem está enxergando o avanço da pandemia é quem tem a visão de cima, o Ministério da Saúde. Cadê o planejamento geral? Eu perguntei: ministro, usando uma palavra técnica, qual é o protocolo, meu amigo?

Qual protocolo o senhor tem para os governadores? O protocolo significa o seguinte: como vamos tratar a pneumonia? “Distribui para o hospital do SUS e o secretário do estado vai, então, organizar esse protocolo que já foi testado pela ciência, pela academia e sabe como tratar a pneumonia”, relatou a senadora durante a entrevista. Reconheceu, no entanto, que o currículo do ministro é muito bom, mas ele ainda está perdido no que diz respeito a essas medidas.

Impeachment - No entendimento da líder da bancada tocantinense no Congresso,  não há clima entre parlamentares para o impedimento do presidente Jair Bolsonaro. Sugere, no entanto, que ele não se contente em agradar apenas os 30% de brasileiros que, segundo as pesquisas, se mantêm em suas fileiras. Kátia Abreu avaliou que em meio à crise financeira e sócio-sanitária aparece uma crise política. “E isso ocorre quando há uma crise entre presidente e governadores, por exemplo, o que acontece com a população nessa hora?”, questiona. E acrescenta que briga política está gerando um resultado social ao afirmar que metade cumpriu o isolamento, metade não.

“O último impeachment está muito fresco, as feridas ainda estão abertas, nós tivemos prejuízos enormes, não vejo essa disposição, não vejo esse ânimo dos parlamentares; existe a possibilidade de impeachment? claro, está na Constituição. Já fizemos dois depois da redemocratização, mas isso traz consequências”, ponderou.

Economia - Kátia destacou que os governadores e prefeitos estão na mesma situação, tendo que realizar cortes nas receitas e arrecadação em 30%. “O que nós queremos é substituir essa perda, esse é o princípio que deverá nortear esse projeto. O relatório preliminar do Senado fugiu bastante dessa compensação, tirou esse princípio e quer organizar outros pilares, quero saber se isso vai contemplar todo mundo”, sustentou.

Ela defende que o Senado deva fazer essa divisão da ajuda aos estados e municípios de forma justa. “Se o presidente Bolsonaro não gosta do governador do estado tal, detesta o governador do estado A, eu não tenho nada com isso, não podemos apequenar a discussão, temos que agigantar a discussão, temos que ter espírito público, calma, tranquilidade e muito espírito de justiça para poder fazer um trabalho a contento e que agrade todos”, sugeriu.


Autor: Redação AMZ Noticias


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias